quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Noite escura da alma

Atráves da Noite escura da alma
Sangrando e chorando,sem destino eu caminho
Os gelídos ventos da morte sombria
Guiam meu coração clemente por carinho
O único sopro de vida em mim
É a esperança que carrego como uma cruz
Quisesse Deus que minha jornada não fosse assim
Mas para as trevas da minha solidão
Nunca haverá uma luz
Os fantasmas dos meus pesadelos me assombram e me torturam
Rindo dizem que a morte está para chegar
Desesperada ,grito "me deixem em paz!"
Mas sei que nada me resta a não ser esperar
Minha existência é um eterno sacrifício
A nênia noturma dos anjos me acalma
O abandono acompanha meu mórbido espírito
Que vaga pela Noite escura da alma.

Autora:Eduarda Santos.

3 comentários:

  1. Saudações a nova poesia!!! Muito interesante e inspirador!!

    ResponderExcluir